Pular para o conteúdo

Nos últimos dias, circulam na imprensa da Capital Gaúcha muitas informações sobre uma possível extinção ou privatização da Carris pela Administração Municipal, fato que divide e gera opiniões e protestos, a favor ou contra, da população porto-alegrense.  O objetivo deste texto, porém, é não entrar no debate desta discussão, mas sim descrever o histórico desta empresa, que é a única de capital público em funcionamento no Brasil.

No centenário de Porto Alegre, em 1872, as viagens do centro até regiões um pouco distantes levavam um dia inteiro. Porém, em 19 de junho de 1872, Dom Pedro II assinou um decreto que fundava a Companhia Carris de Ferro Porto-Alegrense, o que deu uma grande evolução no contexto urbano da cidade, dinamizando o transporte de passageiros.

Inicialmente, os veículos da Carris eram movidos por mulas, sendo aos poucos substituídas pela eletricidade, em 1895. Com a instalação da rede elétrica até 1908, consolidaram-se os bondes elétricos, com linhas iniciais para os bairros Menino Deus, Glória, Teresópolis e Partenon.

Entre 1909 e 1954, Porto Alegre tinha o maior número de bondes elétricos em operação no mundo. Entre 1928 e 1954, a Carris foi administrada por uma empresa norte-americana, chamada Bond & Share. Entretanto, com dificuldades financeiras, a Carris foi encampada pela Prefeitura, em 1954 pelo então Prefeito Ildo Menegheti.

No final dos anos 1950, a empresa passou a trabalhar também com trólebus (veículos tracionados a motor elétrico), porém esta modalidade não obteve sucesso. O dia 8 de março de 1970 marcou o fim do funcionamento dos bondes em Porto Alegre, dando espaço para os ônibus.

Em 1976, surgiram as linhas transversais, as quais não era necessário chegar até o Centro Histórico e que ligam a Zona Norte com a Zona Sul, passando por várias regiões da cidade. Em 2016, eram 18 linhas desta modalidade circulando pela capital.

Nos anos 2000, a empresa implantou linhas especiais, como a Linha C4 (Balada Segura), para os frequentadores de atividades noturnas, as Linhas Turismo Centro Histórico e Caminhos Rurais e o Territórios Negros, projeto de valorização da comunidade negra e sua contribuição histórica para o Estado.

MAIS INFORMAÇÕES: http://www.carris.com.br/default.php

Matéria da Ulbra TV, 2008.